Imunoterapia

A imunoterapia específica com alérgenos, também chamada de “vacina” para alergia, é o único tratamento que combate a causa da doença e não apenas os sintomas alérgicos. Resumindo, é o único tratamento que modifica a história natural da doença, diferente dos medicamentos que tratam apenas os sintomas.
A Organização Mundial de Saúde recomenda a imunoterapia como uma forma de tratamento comprovadamente eficaz nas doenças alérgicas mediadas pela IgE (anticorpo responsável pela reação alérgica). Especialmente em pacientes com asma, rinite, conjuntivite alérgica, alergia a ferroada de insetos, etc.
O tratamento consiste na aplicação de alérgeno ao qual o paciente é sensível em doses crescentes por um período de tempo que é variável (3 a 5 anos). A imunoterapia induz uma série de alterações na resposta imune que estão associadas à melhora clínica do paciente.

O primeiro passo é ir ao alergologista, médico especialista em alergias, e este saberá orientar se há ou não a indicação do tratamento.

A imunoterapia é composta pelas mesmas substâncias que causam alergia; como polens, ácaros, veneno de insetos, entre outros. Não há medicamento! Esta pode ser por via subcutânea ou sublingual.

Como todo tratamento, o paciente pode ter algumas reações, desde locais até sistêmicas. Mas isso não deve ser um motivo para desistir ou abandonar o tratamento. Algumas trazem apenas pequenos desconfortos ao paciente, como as reações locais que provocam vermelhidão no local da aplicação. A imunoterapia subcutânea é realizada sob supervisão e o paciente liberado após 30 minutos. A sublingual pode ser administrada em casa.