Sintomas de alergia ao ovo e o que fazer

Sintomas de alergia ao ovo e o que fazer

A alergia ao ovo acontece quando o sistema imune identifica as proteínas da clara do ovo como um corpo estranho, desencadeando uma reação alérgica com sintomas como:

  • Vermelhidão e coceira na pele;
  • Dor no estômago;
  • Náuseas e vômitos;
  • Coriza;
  • Dificuldade para respirar;
  • Tosse seca e chiado ao respirar.

Normalmente, estes sintomas surgem poucos minutos após ingerir ovo, mas podem passar várias horas até que os sintomas surjam e, nesses casos, a alergia pode ser mais difícil de identificar.

Na maior parte dos casos, este tipo de alergia pode ser identificado logo nos primeiros anos de vida, mas muitas crianças acabam por superar a alergia durante a adolescência, passando a poder comer ovo.

Uma vez que a intensidade dos sintomas pode variar ao longo do tempo, é importante evitar a ingestão de qualquer comida com vestígios de ovo, pois pode surgir uma reação de anafilaxia grave, na qual a pessoa pode deixar de conseguir respirar.

Porque se deve evitar algumas vacinas

Algumas vacinas utilizam a clara de ovo quando são fabricadas, e por isso, as crianças ou adultos que tenham grave alergia ao ovo não devem receber este tipo de vacinas.

No entanto, algumas pessoas só possuem uma alergia leve ao ovo e, nestes casos, a toma da vacina pode ser realizada normalmente. Contudo, se o médico ou enfermeiro considerarem que a alergia ser grave, a vacina deve ser evitada.

Quando incluir o ovo na alimentação da criança

O ovo inteiro só deve ser introduzido na alimentação da criança após o 1º ano de idade. Para garantir que não existe alergia ao ovo deve-se incluir primeiro a gema do ovo, por volta dos 9 meses de vida, sendo aconselhado oferecer apenas 1/4 da gema, para avaliar se o bebê apresenta sintomas, e só depois de 15 dias oferecer metade de uma gema, e ir aumentando a quantidade a cada 15 dias.

 

Fonte: https://www.tuasaude.com/alergia-ao-ovo/