ALERGIA AO DESODORANTE

ALERGIA AO DESODORANTE

Desenvolver alergia a desodorante de uso diário é mais comum do que se imagina. Esses produtos, cada vez mais, vêm provocando reações e se tornando um dos vilões das peles sensíveis. Essa incidência se deve, principalmente, às fórmulas desses produtos, além da forma equivocada de aplicação – variando de organismo para organismo. Confira algumas dicas para evitar a alergia a desodorante.

O que fazer diante de uma reação na pele?

  • Identificar a composição química do produto e evitar a compra dos que têm alto nível de álcool, bem como fragrâncias muito agressivas.
  • Buscar testar o produto em uma pequena região da axila e deixá-lo agir por um tempo no local antes de partir para o uso contínuo.
  • Em caso de reações, lavar imediatamente a área da axila com água corrente e sabonete de pH neutro.
  • Procurar um médico, que poderá identificar com mais precisão a causa específica da alergia e os cuidados a serem tomados a fim de tratá-la.
  • Adotar opções de soluções mais naturais, que não reajam na pele e, mesmo assim, atuem como controladoras de odor.
  • Buscar produtos desenvolvidos especialmente para peles sensíveis e com tendência a reações – os chamados desodorantes hipoalergênicos.
  • Investir em produtos de qualidade e com garantia de eficácia comprovada é fundamental para que os fatores alérgicos não se agravem.
  • Aplicar o produto sempre após o banho, em quantidade moderada e com a região previamente seca.
  • O uso de medicamentos se faz necessário se a incidência alérgica for contínua e apresentar sintomas severos. Por isso, é importante acompanhar e atentar para os sinais reativos com acompanhamento médico.
  • Evitar a exposição solardireta imediatamente após aplicação, pois pode provocar maior irritabilidade na pele. Ainda, não fazer uso do produto quando a região já estiver com muita transpiração.
  • Não interromper qualquer tratamento e nem procurar mudar muito o produto utilizado (buscar sempre por aquele que o corpo já está acostumado), pois a troca constante pode agredir mais a pele e aumentar as chances de novos quadros alérgicos.
  • Prefira os desodorantes na versão aerossol, pois são melhores absorvidos pela pele e são desenvolvidos a partir de substâncias menos agressivas – alguns, inclusive, não contêm álcool.

Fonte: Blog Alergo Imuno